quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Antiga cozinha egípcia



A cozinha do antigo Egito, por mais de 3 000 anos manteve traços consistentes. O alimento dos egípcios pobres e ricos eram o pão e a cerveja, muitas vezes acompanhada de cebola, legumes, carne em menor quantidade, caça e peixe.




– Há poucos relatos precisos da quantidade de refeições diárias, mas tem sido assumido que:
  • os ricos teriam 2 ou 3 refeições por dia: 1. de manhã; 2. uma grande no almoço; 3. jantar mais tarde, à noite.
  • a população em geral seria mais provável comer: 1. um simples almoço de pão, cerveja, cebolas; 2. uma refeição principal no início da tarde.
Representações de banquetes podem ser encontrados na pintura tanto do Antigo Império como no Novo Império. Eles geralmente tem início em algum momento da tarde. Homens e mulheres foram separados a menos que eles eram casados. Assentos variavam de acordo com o status social, os mais ricos sentavam em cadeiras, outros sentavam em tamboretes e aqueles mais baixos na classificação sentavam no chão. Antes que a comida fosse servida, bacias de lavar as mãos eram fornecidas juntamente com os perfumes em cones de gordura perfumada para espalhar aromas agradáveis ou para repelir insetos, dependendo do tipo de flores. Lotus e colares de flores eram entregues e bailarinos profissionais (principalmente mulheres) entretiam os convidados, acompanhados por músicos tocando harpas, alaúdes, tambores, tamborines. Havia geralmente quantidades consideráveis de álcool e de quantidades abundantes de alimentos: boi assado inteiro, patos, gansos, pombos e peixes. Os pratos com frequência consistia em ensopados servidos com grandes quantidades de pão, legumes e frutas frescas. Para doces havia bolos com tâmaras adoçados com mel. A deusa Hathor era celebrada muitas vezes durante as festas.


Preparação de alimento
Alimentos eram preparados por cozimento, fervura, grelhados, fritos ou assados. Ervas eram adicionadas para o sabor, limitadas às mesas dos ricos. Alimentos a base de carnes eram preservados, principalmente por salga. O pão e a cerveja eram geralmente preparados nos mesmos locais, pois o fermento para o pão era também utilizado para fabricação de cerveja.


Carnes e alternativas
A cozinha pré-dinástica difere da época mais tardia e os hábitos alimentares também devido a mudanças no clima. O Egito deixou de ser uma região exuberante para um clima mais seco. Inicialmente, havia abundância de antílopes, gazelas, hipopótamos, crocodilos, avestruz, aves e peixes de água salgada e fresca. Em menor quantidade, o asno selvagem, ovinos, caprinos, bovinos selvagens, e mesmo as hienas eram comidos. No entanto, a disponibilidade da caça foi diminuindo consideravelmente e era então principalmente um esporte dos ricos. O Novo Império foi um período de inovações na dieta, devido ao comércio exterior e de guerra. Romãs foram introduzidas e amêndoas foram importadas. É também possível que as maçãs e damascos foram importados em pequena escala, e na época romana, pêras, ameixas, pêssegos, avelã, noz, pinhão, e pistácios foram introduzidos.

O mel foi o adoçante primário, mas era muito caro. Havia mel colhido no campo, e mel de abelhas domésticas mantidas em colméias de cerâmica. Uma alternativa mais barata seria tâmaras ou alfarrobas. Houve até um hieróglifo representando uma vagem de alfarroba, que tinha o significado primário de "doce, agradável". Óleos seriam feitos de alface ou de sementes de rabanete, cártamo, ben, balanos e gergelim. A gordura animal foi empregada para cozinhar e frascos utilizados para o armazenamento foram encontrados em muitos assentamentos.

Pão e cerveja
O pão egípcio foi feito quase exclusivamente a partir de trigo Emmer, que era mais difícil de se transformar em farinha, quando comparado com a maioria das outras variedades de trigo. O joio não sai por debulha, mas vem em espiguetas que precisava ser removida umedecendo e batendo com um pilão para evitar o esmagamento dos grãos para dentro. Em seguida, secas ao sol, peneirada e finalmente moído em uma sela quern, que funcionava movendo a mó pra frente e para trás, e não com um movimento de rotação. As técnicas de cozimento variou ao longo do tempo.

Exceto Emmer, cevada era cultivada para fazer pão, e também usado para fazer cerveja, e assim também as sementes de lótus e junça. Para aqueles que podiam pagar havia massa para sobremesa e bolos de farinha de trigo de alta qualidade. Junto com o pão, a cerveja era a preferida dos antigos egípcios. Ao contrário da maioria das cervejas modernas, a antiga era altamente nutritiva. Foi uma importante fonte de proteínas, minerais e vitaminas e era tão valiosa que frascos de cerveja foram muitas vezes usado como uma medida de valor e foi usado na medicina. Pouco se sabe sobre tipos específicos de cerveja. Arqueológos mostram evidências de que a cerveja foi feita pelo cozimento "pão de cerveja", um tipo de pão fermentado, levemente cozido que não mata as leveduras, que foi então desintegrado sobre uma peneira, lavadas com água em um tanque e depois posto para fermentar. A maioria das cervejas eram feitas de cevada e apenas alguns de trigo Emmer, mas até agora nenhuma evidência de condimento foi encontrado.

Frutas e legumes
Vegetais eram comidos como um complemento a cerveja e ao pão, e os mais comuns eram: cebolinha verde e alho e ambos também tiveram usos médicos. Houve também a alface, aipo (comidos crus ou usado para ensopados), certos tipos de pepino e, talvez, melões, nabos . Tubérculos, incluindo papiro eram comidos crus, cozidos, torrado ou moído em farinha e foram ricos em nutrientes. Junça esculentus (Cyperus) foi usado para fazer uma sobremesa feita a partir do solo seco e tubérculos misturado com mel. Lotus e similares, plantas aquáticas eram comidas cru ou transformadas em farinha, e ambas as raízes e o caule eram comestíveis. Um número de leguminosas, como ervilhas, feijões, lentilhas e grão de bico eram fontes vitais de proteínas. Oliveiras foram comidas crus ou em conserva, mas não houve provas de azeite antes do período greco-romano. As frutas mais comuns eram as tâmaras e havia também os figos, uvas (e passas), nozes de palma ( comidos crus ou em suco).

Carnes
Carne veio de animais domésticos, caça e aves. Isso possivelmente incluído perdiz, codornas, pombos, patos e gansos. O frango provavelmente chegou por volta do século 5 a 4 a C, embora nenhum dos ossos de frango foram realmente encontrados antes do período greco-romano. Os animais mais importantes foram bovinos, ovinos, caprinos e suínos (que se pensava ter sido um tabu para comer). Carne era mais cara e seria, no máximo, disponível uma ou duas vezes por semana, sobretudo para a realeza. Carne de carneiro e porco era mais comum. Aves domésticas, silvestres e domésticos e os peixes estavam disponíveis para todos. As fontes alternativas de proteína teria sido os legumes, ovos, queijo e os aminoácidos disponíveis no pão e cerveja. Ratos e ouriços também foram comidos e uma maneira comum de cozinhar o último foi para encerrar um ouriço em barro e assá-lo. Quando o barro rachar, então aberto e removido, ele levou os pontos espinhosos com ele.

Ervas e especiarias
Dill, feno-grego, salsa, tomilho, cominho branco e preto, erva-doce, manjerona e hortelã são todas nativas do Egito e foram utilizados na culinária, nos tempos antigos. Tanto a canela e pimenta foram importados.

Bebidas
A cerveja, fabricada pelo menos desde o período pré-dinástico, era a principal bebida da população egípcia, bebida por ricos e pobres, velhos e jovens. O teor de álcool era baixo, e que a cerveja tinha que ser consumida imediatamente, bebiam cerveja diariamente. Tornou-se mais difundido a partir do Reino Novo. Vinhos de uvas, tâmaras e figos estavam disponíveis, mas eram caros e reservados para a elite.







Origem: Wikipédia

4 comentários:

  1. Adorei o blog, visite o meu e deixe seu comentário!!
    bjos,
    Diani.

    ResponderExcluir
  2. Muito informativo, parabéns e obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Site de Arqueologia egipcia.
    Visitem e digam-nos o que acham
    http://decheret.wix.com/decheret

    ResponderExcluir

Egito

Duas grandes forças: o rio Nilo e o deserto do Saara, configuraram uma das civilizações mais duradoras do mundo. Todos os anos o rio inundava suas margens e depositava uma camada de terra fértil em sua planície aluvial. Os egípcios chamavam a região de Kemet, "terra negra". Esse ciclo fazia prosperar as plantações, abarrotava os celeiros reais e sustentava uma teocracia – encabeçada por um rei de ascendência divina, ou faraó – cujos conceitos básicos se mantiveram inalterados por mais de 3 mil anos. O deserto, por sua vez, atuava como barreira natural, protegendo o Egito das invasões de exércitos e idéias que alteraram  profundamente outras sociedades antigas. O clima seco preservou artefatos como o Grande Papiro Harris, revelando detalhes de uma cultura que ainda hoje suscita admiração.

Comentários