segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Sicômoro

De madeira duríssima e casca esbranquiçada, o sicômoro do Egito não se confunde com o da Europa. Dá frutos minúsculos, parecidos com figos, que contrastam com seu tamanho gigantesco. É chamado de "figueira do faraó" ou guemmeiz.

A deusa Nut amava essa essa árvore de galhos musculosos. No túmulo de Tutmés III, um sicômoro a simboliza dando o seio ao faraó defunto. Nenhuma outra árvore foi tão desenhada e pintada pelos artistas da Antiguidade. É verdade que crescia em todo lugar, até à beira do deserto. O nome nouhi costumava designar as novas árvores plantadas no Vale do Nilo:
  • a figueira era chamada de "sicômoro dos figos";
  • o balsameiro de "sicômoro de incenso".

Durante a fuga do Egito, a Sagrada Família teria parado sob um sicômoro, em Matareya, na periferia do Cairo. Com mais de 7 m de circunferência, "a árvore da Virgem" atraiu durante séculos peregrinos do mundo inteiro, que vinham comprar dos monges fragmentos de sua casca, gravar no tronco seu nome e pendurar ex-votos nos galhos. Em geral, atribuem aos sicômoros todo tipo de poder. Tradicionalmente amarram a ele diversos objetos (panos, amuletos, mechas de cabelos, etc) ou nele cravam pregos, para solicitar a intervenção de santos ou agradecer-lhes a graça concedida.

No século XIX, a Alameda de Chubra, na saída do Cairo, era conhecida pelos gigantescos sicômoros, que formavam um dossel. As pessoas mais belas da capital marcavam encontro ali ao cair da tarde.


Fonte: 'Egito um olhar amoroso' de Robert Solé

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Egito

Duas grandes forças: o rio Nilo e o deserto do Saara, configuraram uma das civilizações mais duradoras do mundo. Todos os anos o rio inundava suas margens e depositava uma camada de terra fértil em sua planície aluvial. Os egípcios chamavam a região de Kemet, "terra negra". Esse ciclo fazia prosperar as plantações, abarrotava os celeiros reais e sustentava uma teocracia – encabeçada por um rei de ascendência divina, ou faraó – cujos conceitos básicos se mantiveram inalterados por mais de 3 mil anos. O deserto, por sua vez, atuava como barreira natural, protegendo o Egito das invasões de exércitos e idéias que alteraram  profundamente outras sociedades antigas. O clima seco preservou artefatos como o Grande Papiro Harris, revelando detalhes de uma cultura que ainda hoje suscita admiração.

Comentários